Um lugar errado no mundo

Se com Lula já era claro que a política interna vivia fortes condicionamentos externos, particularmente no que se refere a uma inserção do país na globalização, marcada por tensões ideológicas, sem considerar o nível de criminalização que em paralelo se praticou, com o governo Bolsonaro, excetuando-se aparentemente essa última ponderação, a dimensão internacional parece ser inescapável. O episódio da indicação do filho, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), é ilustrativo dessa evidência. 

Com Bolsonaro acentua-se a percepção de que nos encontramos imersos naquilo que Giuseppe Vacca define como “conflito econômico mundial”, uma situação sistêmica que caracteriza o mundo desde a superação da “guerra fria”, posicionando-nos definitivamente no tempo da globalização. Trata-se de um conflito perene e global que envolve múltiplos atores em torno de decisões geopolíticas, econômico-financeiras, do mundo do trabalho e da cultura, questões tecnológicas, ambientais, etc.

Torna-se conveniente assim analisar o governo Bolsonaro a partir dessa perspectiva. Seu nacionalismo e seu notável reacionarismo é equivalente ao que ocorre em diversos países e traduz o lugar que Bolsonaro vê para o Brasil no contexto global. O que se apresenta nos EUA sob Trump ou na Hungria sob Orbán tem lógica similar aos posicionamentos de Bolsonaro, embora este possa talvez ser considerado o mais despreparado dentre tais líderes, tanto em termos pessoais como de assessoria imediata.

O momento em que vivemos não recoloca na agenda mundial o retorno da “guerra fria”, mesmo porque não há duas potências orientando, militar e ideologicamente, os vetores do “conflito econômico mundial”. A “guerra fria” foi um conflito forjado de dentro para fora das duas potências rivais, EUA e URSS, e representou um equívoco de ambas já que nenhuma delas seria capaz de suplantar a outra e estabelecer um domínio efetivo a partir de uma suposta vitória militar sobre a adversária (G. Vacca, La sfida de Gorbaciov – guerra e pace nell’era globale, no prelo). 

Parece não haver espaço também para outros retornos cultivados no imaginário de muitos que ambicionam combater a extrema-direita, tal como um conflito do tipo “comunismo versus fascismo” – por evidente anacronismo, além do erro de avaliação que jugava ser tal disjuntiva a única alternativa que existia na década de 1930 -, ou uma confrontação do tipo “Frente Popular versus Nazi-fascismo”, como sucedeu no século passado.

O bipolarismo morreu com a “guerra fria”, mas um multilateralismo compartilhado pelos principais países ainda não se consumou. O momento evidencia um avanço da extrema-direita, inclusive com a formação de entidades autônomas de orientação internacional das quais participam representantes do governo Bolsonaro. Na outra ponta há forte desorientação da esquerda, com inclinações incompreensíveis para uma política de autoisolamento; a exceção surpreendente fica por conta da esquerda dita tradicional que tem buscado uma renovação, ainda precária e inicial, mas que já dá alguns frutos, como os avanços eleitorais da social-democracia em alguns países europeus.  Liberais, conservadores e liberais-democráticos vivem cada um sua própria crise, fustigados pelo iliberalismo da extrema-direita que coloca em xeque os fundamentos da democracia liberal representativa. Nas recentes eleições europeias, a novidade ficou para a emergência de núcleos ecológicos, especialmente os verdes alemães, que difusamente atuam em busca de expressivas alternativas futuras, mas sem ainda alcançar capacidade orgânica e/ou institucional de se conformarem num peso forte no cenário mundial.

Mesmo de forma errática, Bolsonaro se posiciona claramente contra o globalismo e, via um nacionalismo anacrônico, aposta na sua capacidade de anular a dinâmica e os efeitos da globalização entre nós. Trata-se de um equívoco: não há país que possa ficar de fora do “conflito econômico mundial” que se expressa de forma global. O alinhamento ativo diante dessas circunstâncias – que Bolsonaro por seu viés ideológico de extrema-direita não contempla – é a defesa de uma perspectiva de cooperação entre os países, advinda de uma nova orientação estratégica, isto é, de uma política de interdependência que favoreça a convivência entre diferentes e a busca de um destino comum para a humanidade. O regressismo de Bolsonaro é uma escolha que leva o país para o pior dos lados do “conflito econômico mundial”, numa posição subalterna ao atual governo norte-americano além de vinculá-lo ao que há de mais reacionário na política europeia. 

Por um lado, é inútil afirmar uma visão apologética ou catastrófica a respeito do novo cenário criado pela globalização. Por outro, no caso brasileiro, não se trata apenas de retomar uma política externa equilibrada, uma das marcas da nossa história diplomática, mas sim enfrentar politicamente o “conflito econômico mundial” e apresentar ao mundo uma orientação nova diante de um cenário novo. O passado pode, certamente, nos ajudar, mas não será a chave para um futuro de ampla cooperação, suplantando os vetores ideológicos. 

É preciso politizar, em termos democráticos, tanto externa quanto internamente o quadro de conflitos que se estabelece no mundo atual. Isso significa superar a noção tantas vezes mencionada de que vivemos um tempo no qual “a política está morta”. Ao contrário, é preciso ultrapassar a antiga noção territorial de soberania nacional e buscar uma perspectiva inovadora para conectar cidadania, nação, interdependência e cooperação. E, com isso, avançar no sentido de recolocar a modernidade em novos termos, com seus ricos avanços e aberturas ilimitadas a novas subjetividades. 

O regresso a um nacionalismo anacrônico manchado de reacionarismo não nos serve e pode malograr todas as expectativas de um lugar generoso no mundo para os brasileiros.

(Publicado n’O Estado de São Paulo, em 25 de agosto de 2019, p. 02)

Sharing is caring!

Tags Do Post
Escrito por
Sem comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO